CBMAL

HISTóRIA

A Lei n° 435 datada de 04 de julho de 1864 e sancionada pelo vice–presidente Roberto Calheiros de Melo, autorizou a aquisição da  primeira bomba d'água que seria colocada no quartel da polícia e manejada pelos milicianos. Para esse fim foi desprendida a quantia de 1.500$000 (um conto e quinhentos mil réis).

 

Em 20 de novembro de 1869, foi criado, no governo do Sr. José Bento da Cunha Figueiredo Junior, o primeiro regulamento para socorro em casos de incêndios, o qual prescrevia o seguinte: "Logo que se manifestasse algum incêndio em qualquer parte da cidade, o toque de alerta seria dado através da igreja mais próxima por meio de sinos, ou pelo corpo da guarda através de corneta em toque de arrebate. O sinal deveria ser repetido enquanto durasse o incêndio".

 

Como tudo iniciou...

 

Uma noite, quando os integrantes do Jornal de Alagoas trabalhavam na redação de uma das folhas do jornal, surgiu alguém gritando que um incêndio lavrava na cidade, querendo devorar tudo. Um pavoroso e sinistro incêndio cuja proporção não se podia calcular. A “Casa das Tintas” era o local onde pairavam as chamas. A impressionante tragédia abalou até o governador do Estado, o Exmo. Sr. Silvestre Péricles, que para lá foi e da casa de seu amigo, Dr. Afrânio Lages, assistiu a tudo estupefato, em companhia da família daquele conceituado clínico e de seus auxiliares imediatos. As chamas devoraram todo o estabelecimento e ainda, cerca de vinte e cinco famílias ficaram no meio da rua com os seus móveis e utensílios.

 

Aquilo era, portanto, um quadro entristecedor e merecia um reparo. Latas de querosene, vasos de uso doméstico e outros vasilhames, oferecidos e levados por pessoas residentes nas proximidades e também alarmadas, eram entregues aos voluntários e militares que heroicamente lutavam contra as chamas, muitos deles intoxicados pelo mau cheiro saído daquele estabelecimento que continha grande quantidade de tintas e outros tóxicos.

O Dr. Silvestre Péricles, revoltado com o caso, esperava encontrar ali um Corpo de Bombeiros. Teve, portanto, sua decepção e prometeu organizar uma unidade que viesse dar combate às chamas quando elas surgissem em algum ponto da cidade.

 

O 2° Tenente NELSON ATHANÁSIO, pertencente ao Corpo de Bombeiros do Estado da Guanabara (atual estado do Rio de Janeiro – RJ), aqui veio com a missão de estruturar, organizar e fazer funcionar a antiga Seção de Bombeiros. Como na época não havia ninguém ou nenhum oficial com condições técnicas para estruturar a recém-criada formação, o oficial acima citado foi designado para tal missão que resultou no que somos hoje o CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS.

 

Em 29 de novembro de 1947, o Exmo. Sr. governador do Estado de Alagoas Silvestre Péricles de Góes Monteiro, através da Lei n.o 1368, criou na Polícia Militar uma Formação de Bombeiros, destinada a extinção de incêndios  e salvamento de vidas e haveres, no município da capital, sendo aberto pelo artigo 3º da citada Lei o crédito especial de Cr$ 300.000,00 (trezentos mil cruzeiros), para socorrer as despesas preliminares necessárias à instalação do serviço.

 

Em 01 de dezembro de 1947, poucos dias depois da criação da Formação de Bombeiros, através do Decreto Lei n° 655, o Prefeito de Maceió Dr. João Teixeira de Vasconcelos, usando de suas atribuições que lhe confere a Lei Estadual n° 1357 de 12 de novembro de 1947, criou no Município de Maceió a Taxa de Extinção de Incêndio.

 

Silvestre Péricles, em mensagem de 21 de abril de 1948, apresentada à Assembléia Legislativa, dizia que “Maceió já possui, enfim, uma Formação de Bombeiros, criada como órgão da Polícia Militar, pela Lei n° 1348, de 29 de novembro de 1947, com o efetivo de 41 Bombeiros”.

 

Em 31 de maio de 1960, a Lei n° 2231 transformou a então Formação de Bombeiros em Companhia, com um efetivo de cento e vinte e sete homens. Em 20 de outubro de 1970, a Lei n° 3116 transformou a Companhia de Bombeiros em Corpo de Bombeiros, com um efetivo de cento e setenta e sete homens, inclusive seis oficiais.

 

O Quartel do Corpo de Bombeiros funcionou até 1976, ao lado do Quartel Geral da Polícia Militar na Praça da Independência. Acontece que somente em 09 de novembro de 1976, foi inaugurado esse novo Quartel do Corpo de Bombeiros, no Trapiche da Barra, sendo o comandante geral da Polícia Militar na época o Cel. Paulo Ney Machado Ramalho de Azevedo, e o governador do Estado, o Prof. Divaldo Suruagy.

 

No dia 26 de maio de 1993 o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Alagoas tem sua autonomia administrativa da Polícia Militar, completando em 2015 vinte e dois anos de aniversário.

 

Hoje, o CBMAL conta com três quartéis e quatro postos na capital. Entre eles, o Quartel do Comando Geral situado no bairro do Trapiche da Barra, o quartel do Grupamento de Incêndio, localizado no bairro do Tabuleiro, parte alta de Maceió e o Grupamento de Salvamento Aquático, localizado no Pontal da Barra, além dos Postos do Tabuleiro, Serraria, Pajuçara e Trapiche.

 

Com o passar dos anos, o Corpo de Bombeiros se expandiu e hoje contamos com quartéis nos municípios de Arapiraca, Palmeira dos índios, Penedo, Santana do Ipanema, Delmiro Gouveia e Maragogi e União dos Palmares.

Para acessar o histórico completo clique aqui